#MaduroUsurpador

Petição dirigida ao Conselho Permanente da OEA

 

#MaduroUsurpador

050.000
  34.639
 
34.639 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 50.000 assinaturas.

#MaduroUsurpador

Se ninguém fizer nada, nesta quinta-feira, 10 de janeiro, Nicolás Maduro assumirá o cargo de presidente da Venezuela pela segunda vez.

Este é o ponto culminante das eleições de 20 de maio que ocorreram sem a concordância da maioria da oposição em face da evidência de fraude.

As chancelarias da maioria dos países latino-americanos pediram a Nicolás Maduro que não tome posse na quinta-feira e deixe o poder temporariamente com a Assembleia Nacional até que eleições livres e democráticas sejam convocadas.

Isto é indicado pelos 13 ministros das Relações Exteriores reunidos no chamado Grupo de Lima:

“Pedimos a todos os países membros da OEA que apliquem a Carta Democrática para recuperar a ordem democrática na Venezuela.”

Além disso, todos os 14 ministros das Relações Exteriores membros do Grupo Lima, exceto o do México, fazem os seguintes acordos:

  • Proibir a entrada de altos funcionários venezuelanos em seus países.
  • Reavaliar as relações diplomáticas com a Venezuela.
  • Elaborar uma lista negra de empresas e indivíduos venezuelanos com os quais os bancos serão proibidos de trabalhar.
  • Suspender a cooperação militar com a Venezuela.

Por sua parte, o recém-eleito presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Diego Guaidó, advertiu que se Maduro assumir o cargo, ele se tornará um “usurpador”:

“A partir de 10 de janeiro, estará usurpando a presidência da República. Se formos ignorados, os deputados reafirmarão a ilegitimidade e o não reconhecimento de Nicolás Maduro, bem como a declaração de usurpação do cargo.”

Washington apoiou a declaração da Assembleia Nacional, que fez com que Chávez a considerasse como “ações hostis”. Até mesmo a chancelaria venezuelana eleva o tom e fala de “tentativa de golpe pelos Estados Unidos”.

Além disso, Maduro reiterou em sua conta no Twitter que seu governo tem plena legitimidade:

E seu chanceler, Jorge Arreaza, reafirma seu discurso de “preservar a revolução e não emendá-la”:

"No dia 10 de janeiro, o Presidente Nicolás Maduro assumirá a posse legítima e constitucional da Presidência da República para o período 2019-2025, em perfeita harmonia, no tempo e de acordo com as disposições da Constituição".

Nesta quinta-feira, o Conselho Permanente da OEA se reúne de maneira extraordinária. Escreva e mostre sua opinião.

Para mais informações:

Estes são os países que compõem o chamado Grupo de Lima: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, Guiana e Santa Lúcia.

O México foi o único país que não aderiu à última manifestação do grupo.

+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Procesamos seus dados pessoais de acordo com nossas Política de privacidade e nossos Termos de uso.Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

Carta Democrática para a Venezuela

Ao Conselho Permanente da OEA:

Escrevo com preocupação sobre a posse de Nicolás Maduro prevista para esta quinta-feira 10.

Como vocês sabem, ele quer tomar posse em decorrência da eleição do dia 20 de maio [de 2018], que não foi livre nem democrática. É por isso que a Assembleia Nacional venezuelana alertou que, no caso de a posse ser consumada, Maduro será um “usurpador” da Presidência da República.

Além disso, 13 países da região já se comprometeram a montar um “cordão sanitário” em torno da Venezuela, caso Maduro tome posse como presidente. As relações diplomáticas serão revistas, a colaboração militar será suspensa e os principais representantes do regime de Chávez serão bloqueados comercialmente.

Vários desses países também denunciaram Maduro no Tribunal Penal Internacional em Haia por crimes contra a humanidade.

Os 13 signatários do documento de Lima reivindicam mais uma vez um corredor humanitário, como o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas fez há alguns meses.

A inflação ficou em 224.900% em 2018 e o salário mínimo está em 5 dólares. A economia venezuelana está falida e, juntamente com a repressão, explica o maior êxodo da história do país.

A Organização dos Estados Americanos é o órgão apropriado para acabar com uma emergência humanitária de primeira ordem.

É por isso que peço a vocês que apliquem a Carta Democrática e ajudem a restaurar a ordem democrática na Venezuela.

Atenciosamente,
[Seu nome]

#MaduroUsurpador

Assine esta petição agora!

050.000
  34.639
 
34.639 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 50.000 assinaturas.