A ONU QUER MAIS UMA VEZ IMPOR O “DIREITO AO ABORTO”

Petição dirigida à ONU

 

A ONU QUER MAIS UMA VEZ IMPOR O “DIREITO AO ABORTO”

0200.000
  195.485
 
195.485 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 200.000 assinaturas.

A ONU QUER MAIS UMA VEZ IMPOR O “DIREITO AO ABORTO”

Neste mês de março, será realizada na sede da ONU em Nova York a 62ª reunião da Comissão sobre o Status da Mulher (CSW62).

O primeiro rascunho do documento apresenta aspectos muito positivos, como o incentivo à participação das mulheres nas cooperativas rurais ou a luta contra a mutilação feminina.

Não obstante, o documento inicial também contém diversas referências ao “direito ao aborto” e à “perspectiva de gênero” (enfoque feminista). Estes são alguns dos pontos problemáticos:

  • O ponto 7 apela à defesa dos direitos da saúde, incluindo a saúde sexual e reprodutiva e os direitos sexuais e reprodutivos (eufemismos utilizados na linguagem internacional de promoção do aborto).
  • O ponto 10 afirma que, para o pleno respeito dos direitos humanos de meninas e mulheres e para seu ‘empoderamento’, é necessário garantir seus direitos sexuais e reprodutivos.
  • No ponto 12.c há um apelo ao desenvolvimento de políticas e legislações com “perspectiva de gênero”.
  • No ponto 12.m há um apelo aos estados membros para investir em serviços de saúde sexual e reprodutiva para meninas e mulheres.
  • No ponto 12.z há um apelo ao acesso universal à saúde, incluída a saúde sexual e reprodutiva e os serviços de planejamento familiar.
  • No ponto 12c pede-se que os estados desenvolvam estatísticas de gênero para poder implementar políticas com perspectiva de gênero.
  • Os pontos 14 e 16 voltam a fazer um apelo para que sejam feitas políticas com “perspectiva de gênero”.

Em resumo:

  • O documento não menciona em nenhum momento a necessidade de realizar políticas com perspectiva de família, mas apenas com “perspectiva de gênero”.
  • Apela-se abertamente ao “direito ao aborto”; afirma-se, ademais, que tal direito é necessário para garantir o ‘empoderamento’ das mulheres e a igualdade de gênero.

O que podemos fazer?

Alguns membros da equipe da CitizenGO estarão presentes na CSW62. Seis dos nossos colaboradores falarão com os delegados a fim de mostrar a eles por que esse texto não deve ser aprovado tal como está.

Se você quiser que levemos sua assinatura aos delegados, assine a petição e não deixe de compartilhá-la com seus familiares, amigos e contatos.

+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Tem certeza? Esta e outras petições precisam de seu apoio para que possa ser bem-sucedida. Você pode cancelar seu cadastro a qualquer momento.
Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

O aborto não é um direito; é um drama

Leio com preocupação alguns pontos do rascunho do documento da CSW62. Vejo que há elementos positivos, como o incentivo à participação das mulheres nas cooperativas rurais ou a luta contra a mutilação feminina.

Não obstante, observo com preocupação a reiteração da promoção da chamada saúde sexual e reprodutiva e dos chamados direitos sexuais e reprodutivos, eufemismos para o aborto na linguagem internacional.

O aborto não é um direito; é um drama. É um fracasso não apenas para a mulher, mas também para toda a sociedade.

Também reiteram o requerimento a um enfoque de gênero nas políticas e legislações, esquecendo-se da necessária perspectiva de família, essencial para o verdadeiro desenvolvimento econômico e social.

Por isso, peço que elimine todo o conteúdo referente ao aborto e à perspectiva de gênero e incorpore a perspectiva de família nas conclusões.

Atenciosamente,
[Seu nome]

A ONU QUER MAIS UMA VEZ IMPOR O “DIREITO AO ABORTO”

Assine esta petição agora!

0200.000
  195.485
 
195.485 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 200.000 assinaturas.