Providências contra o aparelhamento ideológico da Igreja Católica em Londrina

Petição dirigida a: Ao Núncio Apostólico do Brasil, Dom Giovanni D'Aniello

 

Providências contra o aparelhamento ideológico da Igreja Católica em Londrina

05.000
  2.962
 
2.962 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 5.000 assinaturas.

Providências contra o aparelhamento ideológico da Igreja Católica em Londrina

Excelentíssimo Núncio Apostólico
Dom Giovanni D’Aniello
Nunciatura Apostólica do Brasil

Contemplando a história da Arquidiocese de Londrina, vemos que ao longo de 60 anos a nossa cidade sempre foi agraciada com excelentes Arcebispos.

O primeiro Arcebispo de Londrina foi o inesquecível Dom Geraldo Fernandes (1913-1982). Desde que tomou posse na Diocese nascente, em 17 de fevereiro de 1957, D. Geraldo não mediu esforços para consolidar a Igreja local em harmonia com o desenvolvimento social, econômico e cultural da região. As suas iniciativas e campanhas são lembradas até hoje. Além de ser o grande responsável pela construção de nossa Catedral — conhecida como a Catedral do Coração —, ele teve papel decisivo na criação da Universidade Estadual de Londrina (UEL), chegando a abrigar cursos superiores nas dependências da própria Catedral, enquanto o campus universitário ainda não estava pronto. De mãos dadas com a comunidade local, D. Geraldo atuou para atrair diversos benefícios para a população londrinense e norte-paranaense. Mas talvez o seu maior feito tenha sido fundar em 1958, juntamente com Madre Leônia Milito, a Congregação das Missionárias de Santo Antônio Maria Claret, hoje presente nos cinco continentes. Com a finalidade principal de anunciar o Evangelho e cuidar dos nossos irmãos mais pobres, as Irmãs Claretianas seguem até hoje a recomendação de D. Geraldo: estar presente onde quer que haja um irmão sofrendo. Não hesitaríamos em dizer que Madre Leônia — cujo processo de beatificação encontra-se em análise pela Santa Sé — e D. Geraldo Fernandes encabeçam a lista dos personagens mais importantes e heroicos da história de nossa cidade.

Com a morte de D. Geraldo, em 1982, Londrina foi presenteada com um Arcebispo que tinha, além do mesmo nome, virtudes igualmente admiráveis: D. Geraldo Majella Agnello. O nosso segundo Arcebispo deu continuidade ao trabalho de evangelização consolidado por seu venerável antecessor, utilizando para isso as suas qualidades de intelectual, conhecedor profundo da liturgia, conselheiro espiritual e líder comunitário. Se D. Geraldo Fernandes uniu-se a Madre Leônia para fundar a Congregação das Claretianas, D. Geraldo Majella teve como parceira outra grande mulher, a médica sanitarista Zilda Arns, com a qual criou a Pastoral da Criança, verdadeira obra-prima da caridade, responsável por salvar milhares de vidas nas últimas décadas. Graças à sua atuação em Londrina, D. Geraldo foi convidado pelo Papa João Paulo II, com quem conviveu pessoalmente, para atuar como Secretário da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos (1991-1999) e Arcebispo Primaz do Brasil (1999-2011). Ao se aposentar, D. Geraldo decidiu voltar para sua querida Londrina, onde se tornou Arcebispo Emérito e até hoje nos dá a alegria de sua presença serena e amigável.

O terceiro Arcebispo de Londrina, que tomou posse em 1991, chamava-se Dom Albano Cavallin. Poderíamos utilizar uma única palavra para defini-lo: santo. Amado por toda a comunidade, ele se dedicou a causas nobres, tais como a Santa Casa da Misericórdia e o Hospital do Câncer; as vocações sacerdotais; o diálogo ecumênico e inter-religioso; a fundação da Pontifícia Universidade Católica em Londrina; e, acima de tudo, a prática da caridade em benefício de nossos irmãos mais pobres. Ao final da vida, quando já era arcebispo emérito, D. Albano confidenciou a um amigo: “O sacerdote se filia a um partido político torna-se refém desse partido. O nosso partido deve ser a Igreja”. Sua morte entristeceu a cidade, mas nos legou um representante muito especial no Céu.

O quarto arcebispo de Londrina foi Dom Orlando Brandes. Dando continuidade ao legado de seu antecessor, D. Orlando foi o homem da palavra, do diálogo, da comunicação social. O cerne de sua atividade pode ser definido pelo termo missão. Londrina consolidou-se como cidade missionária no pleno sentido da palavra. Não é fácil suceder alguém como D. Albano; no entanto, D. Orlando conquistou a todos com sua simpatia e capacidade de diálogo. Tinha uma excelente relação com os padres da Arquidiocese. Os londrinenses jamais se esquecerão do cuidado e do carinho de D. Orlando para com seu irmão mais velho, o arcebispo emérito. Na missa solene em que Londrina se despediu de D. Albano, o quarto arcebispo fez uma emocionante homilia que entrou para a história de nossa Arquidiocese. Em 2017, o Papa Francisco nomeou-o Arcebispo de Aparecida, uma das posições mais importantes na Igreja brasileira.

Com a ida de D. Orlando para a Terra da Padroeira, Londrina recebeu o seu quinto Arcebispo, Dom Geremias Steinmetz. Diz a letra de nosso hino:

Londrina, cidade de braços abertos
A todos os filhos do nosso Brasil!
E a todos aqueles de Pátrias distantes,
Que aqui, confiantes, sob um pálio anil,
Seu lar construíram e aos filhos se uniram,
E aos filhos se uniram do nosso Brasil

Sim, nós recebemos D. Geremias “de braços abertos” — da maneira acolhedora que sempre caracterizou a índole da gente de nossa terra.

No entanto, em janeiro de 2018, tivemos uma primeira grande decepção com nosso novo arcebispo. D. Geremias permitiu que o Encontro das CEBs, realizado no maior ginásio da cidade, se tornasse um ato político em defesa dos políticos e da ideologia do Partido dos Trabalhadores. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda não estava preso na ocasião; mas o Encontro das CEBs em Londrina foi uma espécie de precursor do movimento Lula Livre.

Depois de passar por três desastrosas gestões do PT, Londrina é hoje uma cidade eminentemente conservadora, como atestam os resultados das eleições nos últimos dez anos. O episódio das CEBs repercutiu negativamente em todo o País, causando embaraço e dissabor entre a nossa população.

Ao invés de reconsiderar suas atitudes, o Arcebispo continuou permitindo que o PT aparelhasse a estrutura da nossa Igreja. Em quase todas as manifestações e documentos públicos da Arquidiocese, nota-se a influência das teses esquerdistas e socialistas defendidas por esse partido (e que são, diga-se, contrárias à Doutrina Social da Igreja). Cursos de formação e palestras dirigidas aos católicos são capitaneados por membros do PT local. Em diversas paróquias, permite-se que sejam divulgadas meias verdades e velhas mentiras, tais como a identificação entre o socialismo e o cristianismo; a luta de classes marxista, que opõe ricos e pobres; a malfadada Teologia da Libertação (condenada com veemência pelos santos padres João Paulo II e Bento XVI); e a ideologização da Igreja (condenada com veemência pelo santo padre Francisco).

Em toda comunidade católica de Londrina, encontramos fiéis tristes e insatisfeitos com as atitudes do novo Pastor. Muitos padres também estão desolados. O que mais nos entristece é falta de continuidade nos processos de evangelização. A palavra viva de Jesus e os ensinamentos do Santo Magistério da Igreja Católica têm sido substituídos por práticas doutrinárias de fundo político partidário de esquerda, contrárias às orientações da Santa Sé e às expectativas do nosso povo.

A vida pública da cidade necessita de um Guia Espiritual que nos conduza pelo Caminho do Cristo. Essa missão foi cumprida por Dom Geraldo Fernandes, Dom Geraldo Magella, Dom Albano e Dom Orlando. Lamentavelmente, Dom Geremias não parece estar seguindo os passos de seus antecessores. Dom Geraldo Fernandes entendia as necessidades espirituais e a índole empreendedora de nosso povo; D. Geremias parece ignorá-las. Dom Geraldo Magella defendeu a liturgia e incentivou a caridade; D. Geremias substituiu-as por política. Dom Albano conquistou a cidade com seu olhar amoroso; D. Geremias não nos olha nos olhos. Dom Orlando foi o Arcebispo comunicador; D. Geremias mantém-se incomunicável.

A Igreja une, o partido divide. A terra de Madre Leônia, Dom Geraldo e Dom Albano clama por um Arcebispo que promova a unidade de nosso povo católico. Hoje, o sentimento entre os fiéis é de orfandade. Precisamos de um Arcebispo que possa fazer a Igreja de Londrina voltar a sorrir. Queremos um Padre, um Pastor, um Guia. Queremos amar o nosso Arcebispo tanto quanto amamos a nossa Igreja.

— Londrina, 2 de julho de 2019.

Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL)

Sociedade Rural do Paraná (SRP)

Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina (CEAL)

Sindicato das Indústrias de Construção Civil do Norte do Paraná (Sinduscon Paraná Norte)

Sindicato das Indústrias, Metalúrgicas, Mecânicas e de Materiais Elétricos do Norte do Paraná (Sindimetal Norte do Paraná)

Esta petição foi criada por um cidadão ou uma organização independente de CitizenGO. Por essa razão, CitizenGO não é responsável por seu conteúdo.
+ Letter to:

Assine esta petição agora!

 
Please enter your first name
Please enter your last name
Please enter your email
Please enter your country
Please enter your zip code
Por favor, escolha uma opção:
Procesamos seus dados pessoais de acordo com nossas Política de privacidade e nossos Termos de uso.Ao assinar você aceita os termos de uso da CitizenGO e sua política de privacidade, e aceita receber mensagens de e-mail sobre nossas campanhas. Você pode cancelar seu cadastro na lista a qualquer momento.

Petição dirigida a: Ao Núncio Apostólico do Brasil, Dom Giovanni D'Aniello

Providências contra o aparelhamento ideológico da Igreja Católica em Londrina

Atenciosamente,
[Seu nome]

Providências contra o aparelhamento ideológico da Igreja Católica em Londrina

Assine esta petição agora!

05.000
  2.962
 
2.962 pessoas já assinaram esta petição. Ajude-nos a conseguir 5.000 assinaturas.